Amy Winehouse em azul ou a energia do caos



“Aqueles a quem os deuses amam morrem jovens” esta frase de Menandro (342 a.C – 291 a.C.), é uma frase que me acompanha já há muito tempo, e que sempre simbolizou, para mim, todos os que no auge/princípio da carreira morreram, ou partiram.
Lembro-me sempre de James Dean (“Sonhe como se fosse viver para sempre, viva como se fosse morrer amanhã), ou Janis Joplin ( “É melhor viver 10 anos de uma vida efervescente do que morrer aos 70 e ter passado a vida assistindo TV”) ou mais recentemente de Amy Winehouse (“ Pessoas loucas como eu não vivem muito mas vivem como querem”).
O que é certo é que todos foram muito novos para perto dos deuses, e deixaram estes humanos imperfeitos mais sós, mas deixaram-nos; o registro da obra, a memória, as fotografias, algumas pinturas, alguns números.







A National Portrait Gallery, adquiriu o retrato intitulado “Amy-Blue” (Amy Azul), pouco maior que uma folha de papel, é uma obra da reconhecida artista sul-africana Marlene Dumas (1953), por 95.000 libras (cerca de R$ 314.000) com a colaboração da organização de solidariedade "Art Fund", e coloca Amy Winehouse, ao nível de figuras-chave da história britânica como o antigo primeiro-ministro Winston Churchill ou a rainha Isabel II.
A obra de Marlene Dumas revela o rosto de Amy Winehouse em tons azuis e preto, e foi idealizado após a morte da cantora britânica, no dia 23 de julho de 2011.

Amy Winehouse na numerologia, ou como a Energia do caos regia a vida de Amy

Nome de batismo: Amy Jade Winehouse
Nome artístico: Amy Winehouse
14/09/1983 – 23/07/2011
O número 5 é o mais destemido e inquieto de todos, e é exatamente esse número que marcou a vida de Amy Winehouse.
O número 5 está na soma das consoantes de seu nome de nascimento, a sua Personalidade Exterior. Nessa posição, o número 5 determinava a sua maneira de se expressar externamente, caracterizada pelo seu jeito pouco convencional, como sua ousadia na maneira de se comportar e de falar, sua maquiagem, seu penteado exagerado. Também determinava seu estilo especial e único de cantar,
seu ritmo e sua voz que fascinava.
Com uma excessiva quantidade de 5 em sua vida, a confusão estava instalada. Era uma mistura de audácia e entusiasmo desmedido, com dificuldade em organizar e focar.
Era o dinamismo e a vontade de experimentar coisas novas, mesclados com falta total de limites. Era a grande criatividade prejudicada pela dificuldade em canalizar a energia.
Era sua grande versatilidade prejudicada pela impaciência e imprevisibilidade. Amy Winehouse não conseguia se adaptar a normas rígidas, a instituições ou a conceitos previamente instituídos, desejava ser livre, para viver suas emoções.
O seu comportamento hiperativo, nada convencional, explosivo e irritadiço, ultrapassava os limites da convivência.
Amy Winehouse morreu durante um ano de energia 8, exatamente o número de sua Lição de Vida. Até que ela tentou viver seu 8, fortalecendo-se, tendo a coragem de, após 2 anos sem se apresentar em shows, voltar aos palcos, desta vez, no Brasil.
Porém com um ciclo se encerrando aos 27 anos de idade, em um mês de energia 6 que traz grande carência de amor e um dia de energia 2 que potencializa essa carência, Amy não conseguiu. (estudo numerológico de Aparecida Liberato in portal Terra)

Pensei em várias maneiras para terminar este texto sobre Amy Winehouse, em azul, focalizando essa energia do caos, ou passando pelos deuses, mas, resisti-me, nada como 4,33 minutos em silêncio, e ouvi-la, apenas e só.

              


Por : Ricardo Pocinho

2 comentários:

  1. Que interessante! Desconhecia o retrato "Amy Blue". Creio que, a artista que fez o retrato de Amy Winehouse a percebeu como um anjo em tom azul.

    ResponderExcluir